Untitled Document
 
   
Notícias - Divulgue as notícias da sua região Untitled Document Clique Aqui Voltar
 
Pesquisas na área de produção de caprinos e ovinos serão beneficiadas com Programa Ciência sem Fronteira
Projeto ‘Conservação IN SITU de Ruminantes e Biodiversidade do Bioma Caatinga' representa um importante passo para a internacionalização das pesquisas realizadas pela Ufersa no Semi-Árido

As pesquisas na área de produção de caprinos e ovinos realizadas pela Pós-Graduação em Ciência Animal da Universidade Federal Rural do Semi-Árido vão ganhar reforço com a vinda de um professor visitante da Universidade de La Laguna, Tenerife, na Espanha. Trata-se do Professor Doutor, Luis Alberto Bernejo Asencio, cujo currículo confirma a reconhecida liderança científica e tecnológica internacional. Além da vinda do professor, a Pós-Graduação em Ciência Animal da Ufersa foi beneficiada com recursos de custeio de teses de doutorado e dissertações de mestrado, sendo três de Doutorado Sanduiche no exterior e três de Pós-Doutorado, a serem desenvolvidos na Ufersa.

A aprovação do Projeto: "Conservação IN SITU de Ruminantes e Biodiversidade do Bioma Caatinga", dentro do Programa Ciência Sem Fronteiras, representa um importante passo para a internacionalização das pesquisas realizadas pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido. "Nos últimos anos a internacionalização da pesquisa no Brasil tem sido o principal desafio para os Programas de Pós-Graduação, no Programa de Ciência Animal da Ufersa este desafio começa a ser superado com iniciativas como esta que contemplam o intercâmbio, a mobilidade internacional e da cooperação científica e tecnológica, promovendo a consolidação, expansão e internacionalização da ciência e tecnologia", reconhece o professor Jean Berg, coordenador do Programa.

O professor enfatiza que este projeto trará uma melhoria na qualidade das teses e dissertações produzidas no programa, bem como um reconhecimento da competência de nossos professores/pesquisadores e sobre tudo a formação de mestres e doutores. "Daqui saírão profissionais e pesquisadores cada vez mais críticos, com visão globalizada e com uma preparação diferenciada para o mercado de trabalho, trazendo em sequencia avanços nos aspectos regionais, onde a maioria destes profissionais irá atuar nos próximos anos", considerou.

O professor Luis Bermejo desenvolve pesquisas com caprinos e ovinos nas Ilhas Canárias, que ficam próximas à costa da Africa e ao Deserto do Saara, uma região árida, com clima ainda mais severo que o nordeste brasileiro. A ideia é desenvolver pesquisas voltadas para a manutenção da biodiversidade animal e vegetal, em áreas utilizadas para o pastoreio de caprinos e ovinos em propriedades localizadas no bioma Caatinga. Associado a isso, o professor contribuirá com a sua experiência nos projetos de Conservação e Melhoramento Genético de Ovinos Morada Nova e de Caprinos da raça Canindé, em convênio também com a Embrapa - Caprinos e Ovinos e Embrapa - Recursos Genéticos e Biotecnologia.

O projeto transcorrerá no período de 2014 a 2016, e em cada ano o Professor Bermejo passará três meses na Ufersa, onde ministrará duas disciplinas na Pós-Graduação em Ciência Animal. A Ufersa por sua vez enviará a Espanha três bolsistas de Doutorado sanduiche para o periodo de 1 ano e receberá mais três doutores para estágio Pós-Doutoral, ambos. "É muito importante esse intercâmbio de conhecimento, não só pelo recebimento de informações, mas principalmente quando também estamos levando nossas pesquisas para fora do país", opinou a professor Débora Evangelista Façanha, da Pós-Graduação em Ciência Animal.

A professora ressalta que esse intercâmbio é de grande importância para instituição ao se confirmar que dentro da área de estudo a Ufersa tem competencia suficiente para receber pesquisadores em nível de pós-doutorado. "Representa também a internacionalização da Ufersa", opinou.

Pesquisas

Ao chegar a Ufersa, o professor visitante irá participar de recentes pesquisas campo envolvendo as raças nativas brasileiras, contribuindo com a sua vasta experiência na implantação de projetos conservação de recursos genéticos. Luis Bermejo atualmente é gestor do Programa de Conservação de Esquema de Seleção da raça ovina Canária de Pêlo, animal que guarda uma grande semelhança exterior com a raça Morada Nova, única raça de ovino considerada genuinamente brasileira.

"É possível que as nossas ovelhas Morada Nova sejam descendentes das Canária de Pêlo, trazidas pelos colonizadores, uma vez que as Ilhas Canarias estavam na rota das navegações, dai o nosso interesse pela raça. O que precisamos é aproveitar a experiência do Professor Luis Bermejo na gestão da população desses animais, que hoje contribuem com mais da metade do fornecimento de carne ovina do Arquipélago", ressalta a professora.

Para a professora Débora Façanha o professor visitante dará suporte ao Núcleo de Conservação da Raça Ovina Morada Nova e da Raça Caprina Canindé, ambas, em estudo pelos pesquisadores da Ufersa. "São raças extremamente resistentes e adaptadas ao semiàrido, que evoluíram no bioma caatinga, e por isso podem representar um importante recurso alimentar", frisa a professora, acrescentando que muitos estudos ainda precisam ser realizados incluindo ferramentas genômicas e marcadores moleculares para direcionar a seleção e o melhoramento genético desses animais.

Projeto ‘Conservação IN SITU de Ruminantes e Biodiversidade do Bioma Caatinga' representa um importante passo para a internacionalização das pesquisas realizadas pela Ufersa no Semi-Árido

As pesquisas na área de produção de caprinos e ovinos realizadas pela Pós-Graduação em Ciência Animal da Universidade Federal Rural do Semi-Árido vão ganhar reforço com a vinda de um professor visitante da Universidade de La Laguna, Tenerife, na Espanha. Trata-se do Professor Doutor, Luis Alberto Bernejo Asencio, cujo currículo confirma a reconhecida liderança científica e tecnológica internacional. Além da vinda do professor, a Pós-Graduação em Ciência Animal da Ufersa foi beneficiada com recursos de custeio de teses de doutorado e dissertações de mestrado, sendo três de Doutorado Sanduiche no exterior e três de Pós-Doutorado, a serem desenvolvidos na Ufersa.

A aprovação do Projeto: "Conservação IN SITU de Ruminantes e Biodiversidade do Bioma Caatinga", dentro do Programa Ciência Sem Fronteiras, representa um importante passo para a internacionalização das pesquisas realizadas pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido. "Nos últimos anos a internacionalização da pesquisa no Brasil tem sido o principal desafio para os Programas de Pós-Graduação, no Programa de Ciência Animal da Ufersa este desafio começa a ser superado com iniciativas como esta que contemplam o intercâmbio, a mobilidade internacional e da cooperação científica e tecnológica, promovendo a consolidação, expansão e internacionalização da ciência e tecnologia", reconhece o professor Jean Berg, coordenador do Programa.

O professor enfatiza que este projeto trará uma melhoria na qualidade das teses e dissertações produzidas no programa, bem como um reconhecimento da competência de nossos professores/pesquisadores e sobre tudo a formação de mestres e doutores. "Daqui saírão profissionais e pesquisadores cada vez mais críticos, com visão globalizada e com uma preparação diferenciada para o mercado de trabalho, trazendo em sequencia avanços nos aspectos regionais, onde a maioria destes profissionais irá atuar nos próximos anos", considerou.

O professor Luis Bermejo desenvolve pesquisas com caprinos e ovinos nas Ilhas Canárias, que ficam próximas à costa da Africa e ao Deserto do Saara, uma região árida, com clima ainda mais severo que o nordeste brasileiro. A ideia é desenvolver pesquisas voltadas para a manutenção da biodiversidade animal e vegetal, em áreas utilizadas para o pastoreio de caprinos e ovinos em propriedades localizadas no bioma Caatinga. Associado a isso, o professor contribuirá com a sua experiência nos projetos de Conservação e Melhoramento Genético de Ovinos Morada Nova e de Caprinos da raça Canindé, em convênio também com a Embrapa - Caprinos e Ovinos e Embrapa - Recursos Genéticos e Biotecnologia.

O projeto transcorrerá no período de 2014 a 2016, e em cada ano o Professor Bermejo passará três meses na Ufersa, onde ministrará duas disciplinas na Pós-Graduação em Ciência Animal. A Ufersa por sua vez enviará a Espanha três bolsistas de Doutorado sanduiche para o periodo de 1 ano e receberá mais três doutores para estágio Pós-Doutoral, ambos. "É muito importante esse intercâmbio de conhecimento, não só pelo recebimento de informações, mas principalmente quando também estamos levando nossas pesquisas para fora do país", opinou a professor Débora Evangelista Façanha, da Pós-Graduação em Ciência Animal.

A professora ressalta que esse intercâmbio é de grande importância para instituição ao se confirmar que dentro da área de estudo a Ufersa tem competencia suficiente para receber pesquisadores em nível de pós-doutorado. "Representa também a internacionalização da Ufersa", opinou.

Pesquisas

Ao chegar a Ufersa, o professor visitante irá participar de recentes pesquisas campo envolvendo as raças nativas brasileiras, contribuindo com a sua vasta experiência na implantação de projetos conservação de recursos genéticos. Luis Bermejo atualmente é gestor do Programa de Conservação de Esquema de Seleção da raça ovina Canária de Pêlo, animal que guarda uma grande semelhança exterior com a raça Morada Nova, única raça de ovino considerada genuinamente brasileira.

"É possível que as nossas ovelhas Morada Nova sejam descendentes das Canária de Pêlo, trazidas pelos colonizadores, uma vez que as Ilhas Canarias estavam na rota das navegações, dai o nosso interesse pela raça. O que precisamos é aproveitar a experiência do Professor Luis Bermejo na gestão da população desses animais, que hoje contribuem com mais da metade do fornecimento de carne ovina do Arquipélago", ressalta a professora.

Para a professora Débora Façanha o professor visitante dará suporte ao Núcleo de Conservação da Raça Ovina Morada Nova e da Raça Caprina Canindé, ambas, em estudo pelos pesquisadores da Ufersa. "São raças extremamente resistentes e adaptadas ao semiàrido, que evoluíram no bioma caatinga, e por isso podem representar um importante recurso alimentar", frisa a professora, acrescentando que muitos estudos ainda precisam ser realizados incluindo ferramentas genômicas e marcadores moleculares para direcionar a seleção e o melhoramento genético desses animais.

Adaptada pela Equipe Capril Virtual com informações Jornal O Público (04/02/2014)